As Duas Faces da Vida


Sem estarmos à espera, um dia acordamos com um enorme sorriso no rosto. Prontos para conquistar o mundo. Todas as adversidades são apenas detalhes, perante a grandiosidade do que sentimos. Subitamente amamos os nossos inimigos e esquecemos as nossas tristezas. Nada nos abala e tudo nos revigora. Fazemos planos em função da realização do sonho que a vida nos promete. Estamos felizes e sabemos porquê. Fomos abençoados! Celebramos a vida! Queremos guardar cada segundo desse momento. Queremos viver para sempre. E não obstante a tamanha alegria que nos invade, atrevemo-nos a perguntar... porquê? Porquê tanta felicidade?

Sem estarmos à espera, um dia o nosso sorriso dá lugar ás lágrimas. O mundo desaba e as adversidades são agora monstros de duas cabeças. Subitamente odiamos os nossos amigos e esquecemos as nossas alegrias. Tudo nos abala e nada nos revigora. Os nossos planos deixam de fazer sentido. A realização do sonho que a vida nos prometeu, desliza-nos por entre os dedos. Estamos tristes e sabemos porquê. Fomos amaldiçoados! Choramos a morte! Queremos que aquele momento acabe. Queremos morrer. E não obstante a tamanha dor que nos invade, atrevemo-nos a perguntar... porquê? Porquê tanta tristeza?

E temos finalmente a nossa resposta. É apenas a outra face da vida que nos dá mais uma lição. Que nos apresenta ao azar, para que saibamos reconhecer a sorte. Que nos brinda com a tristeza, para que saibamos celebrar a alegria. Que nos recorda a mágoa, para que não esqueçamos a esperança. Que nos coloca perante o desejo de morrer, para que nos apercebamos que estamos vivos. É apenas a outra face da vida, que nos dá o mundo com uma mão e nos tira o poder de o conquistar com a outra.
Helga

14 comentários:

Brown Eyes disse...

Helga excelente este teu post sobre as duas faces da vida. É mesmo como dizes: a tristeza existe para valorizarmos os momentos felizes. Um beijinho

Gizelda disse...

Alguém que tem sensibilidade e talento para criar um texto como esse, jamais terá uma " humilde" opinião a respeito de qualquer coisa que seja.

Bjs. Bom fim de semana.

...uma nota... disse...

Lindo, era tudo o que eu precisava de me lembrar neste preciso momento. Muito OBRIGADA.

Kiss.

Lala disse...

Fantástico! Não obrigatoriamente, claro, mas por vezes o ser humano precisas de passar pelo 'mau momento', para dar valor ao 'bom momento'.

Beijinho**

Tulipa disse...

Gostei muito do texto, muito mesmo. Infelizmente é preciso haver maus momentos para valorizarmos os bons...o mau e o bom está sempre presente. Tento, no meu dia-a-dia dar mais peso aos bons momentos, mas nem sempre é fácil, confesso...kisses

Poetic GIRL disse...

Essas duas fases que falas-te, fazem parte da vida. Fazem parte de nós. Todos nós sem excepção as sentiremos mais tarde ou mais cedo. Uma provoca alegria outra tristeza. Uma risos outra choros. Mas com ambas aprendemos, muito! bjs

johnny disse...

Mas a mim não me satisfaz. Eu continuo no porquê de ser assim, ambivalente. Podia ser cada dia melhor... isso é que era.

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

Excelente.
Encarar a morte com parte da vida é sábio.

Seu texto está que não dá pra tirar um "a". Perfeito.

Beijo =)

Helga disse...

Obrigada Brown Eyes. Creio que tudo tem o seu devido valor, até a tristeza.

Gizelda, não sei que lhe diga, depois de tamanho elogio. Muito obrigada.

...uma nota... ainda bem que pude ajudar. Tudo de bom.

Lala, talvez seja mesmo obrigatório. Quem não conhece uma ponta que seja de tristeza, jamais reconhece a alegria, quando a sente.

Sim Tulipa. Pessoalmente encaro o 'bem e o mal' como um equilíbrio indispensável ao amadurecimento.

Poetic Girl, disseste bem, todos nós sem excepção mais cedo ou mais tarde, conhecemos de perto estas duas faces.

johnny, eu vejo as coisas assim, o porquê de ser ambivalente é evitar o tédio, pois nem tudo pode ser sempre bom, nem tudo pode ser sempre mau.

Ana Cristina, obrigada pelos "ás" que não tiraste. Gostei que tenhas gostado.

A todos um grande beijinho e um muito obrigado pela participação.

Bom fim-de-semana :)

Lady Me disse...

Adorei o teu texto. É mesmo assim, só o facto de experimentarmos o mau é que nos dá a oportunidade de distinguir o que é bom. Se a vida fosse felicidade todos os dias, não saberíamos sequer o que é felicidade.

Beijinho e obrigada por me visitares.

Helga disse...

Também penso assim Lady Me. Só podemos avaliar algo, ou mesmo alguém, quando conhecemos o seu contrário, quer este seja bom, quer este seja mau.

Também agradeço a tua visita. Volta sempre. Beijinho :)

maria teresa disse...

Gostei imenso deste seu desabafo.
Tem muita razão, a vida é como uma balança, nem sempre os pratos estão equilibrados... mas o natural é a tendência para o equilíbrio.
Abracinho

Lala disse...

Olá Helga! Tens uma presente para ti no meu blog.

Bjs**

Olga disse...

Não sei como me passou este texto, maravilhoso e uma verdadeira lição de vida. Beijinhos grandes grandes.