Vai Aonde Te Leva o Coração

"Partiste há dois meses e há dois meses, exceptuando um postal onde me comunicavas que ainda estavas viva, que não tenho notícias tuas."


'Vai Aonde Te Leva o Coração' de Susanna Tamaro, um livro intenso e tão apaixonante quanto angustiante. O diário de uma avó a uma neta, que se transforma no diário de uma mãe a uma filha, de uma  filha a uma mãe, de uma mulher ao mundo, à vida. Confesso que tive que fazer algumas pausas para retomar o fôlego e enxugar as lágrimas, tal é a sua intensidade. Li-o em apenas três dias, como se cada palavra fosse dirigida, não só a mim, mas a cada um de nós, pois sinto que muitas vezes agimos irracionalmente porque desconhecemos a verdade por detrás dos actos de quem nos ama. Um livro ao qual não se fica indiferente e que nos toca pela assustadora sabedoria e simplicidade das suas palavras. Aqui fica um cheirinho... espero que vos encante como me encantou a mim.

"A ideia do destino é algo que surge com a idade. Quando se tem os anos que tu tens, geralmente não se pensa nisso, tudo o que acontece é como se fosse fruto da nossa vontade. Sentimo-nos como um operário que, pedra sobre pedra, vai construindo à sua frente o caminho que deverá percorrer. Só muito depois é que se repara que o caminho já está construído, que alguém o traçou para nós e que só nos resta seguir em frente (...) Para veres o destino em toda a sua realidade, tens de deixar passar mais alguns anos. Por volta dos sessenta, quando o caminho atrás de ti é mais comprido do que o que tens à tua frente, vês uma coisa que nunca tinhas visto antes: o caminho que percorreste não era direito mas cheio de encruzilhadas, a cada passo havia uma seta que apontava para uma direcção diferente."

"Quando à tua frente se abrirem muitas estradas e não souberes a que hás-de escolher, não metas por uma ao acaso, senta-te e espera. Respira com a mesma profundidade confiante com que respiraste no dia em que vieste ao mundo, e sem deixares que nada te distraia, espera e volta a esperar. Fica quieta, em silêncio, e ouve o teu coração. Quando ele te falar, levanta-te, e vai para onde ele te levar." 

"Os jovens não são naturalmente egoístas, tal como os velhos não são naturalmente sábios. Compreensão e superficialidade não têm nada a ver com os anos, mas com o caminho que cada pessoa percorre. Ainda não há muito tempo, li, já não sei onde, esta máxima dos índios da América "Antes de julgares uma pessoa, caminha durante três luas com os seus mocassins" (...) Só de dentro, só caminhando durante três luas com os seus mocassins é que se pode compreender as motivações, os sentimentos, aquilo que faz agir uma pessoa de uma forma e não de outra. A compreensão nasce da humildade, não do orgulho do saber."

16 comentários:

Ana Cristina Cattete Quevedo disse...

Quero pra mim!
Vou dar uma olhada nas livrarias daqui. Sou rata e nunca tinha ouvido falar ou visto...

Obrigada!

=)

Poetic GIRL disse...

Muito lindo esse livro. Adorei... bjs

Gizelda disse...

Esse excerto é único. Postei-o no meu orkut há algum tempo, para definir meu perfil.

Há pessoas que, em um dado momento, atingem a epifania e criam algo que fica para sempre.Esse livro é um desses casos.
Feliz Páscoa, querida.
Beijos.

...uma nota... disse...

Sábias palavras.

Já li o livro e amei.
Uma Páscoa muito doce, para ti e filhotes.

Muah

Alda disse...

Olá Helga,
Boa escolha... Já li este livro à uns anos, e gostei muito!
Uma Santa e Feliz Páscoa.
beijinhos:)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Li este livro há uns anos numa só noite...
Páscoa Feliz.

Ava Santos disse...

Pelos trecho que aqui li, realmente o livro era tudo aquilo que me dizias que era. Fiquei curiosa e já o coloquei no topo da minha enorme lista.

Um beiJo com cheiro a planície, Ava

ONG ALERTA disse...

Adorei a dica vou comprar e ler...feliz páscoa, paz.

Olga disse...

Uma autora que gosto e mais um livro fascinante de certeza pelo que li aqui.

Helga disse...

A todos as minhas desculpas pela demora na resposta aos vossos comentários, os quais agradeço verdadeiramente.

É realmente um livro muito bom, que curiosamente tinha na prateleira há algum tempo e nunca me tinha despertado interesse para ler. Provavelmente li-o na altura certa, pois tocou-me bastante. A quem ainda não leu, recomendo vivamente.

Quem já leu, parabéns, foi ficou com certeza um pouco mais rico, tal como eu fiquei.
Muito obrigada a todos.

Beijinhos :)

MZ disse...

Vou anotar na minha lista querida Helga!

beijinhos

Helga disse...

MZ, sei que me vou repetir, mas vale realmente a pena ler. É lindo com todas as letras!

Beijinho :)

Tulipa disse...

Conheço o livro, é linda a história! kisses

Brown Eyes disse...

Helga li este livro e vi o filme. O livro é muito mais interessante. Tal como tu parei muitas vezes para enchugar as lágrimas. Já não me lembro quanto tempo levei para ler o livro, foi há uns 7 anos atrás mas, não descansei enquanto não o acabei.
Susana Tamaro toca as pessoas. Já li vários dela mas este marcou-me mais que os outros.
Concordo plenamente com o que ela diz principalmente com o que transmite nesta frase:
"A ideia do destino é algo que surge com a idade. Quando se tem os anos que tu tens, geralmente não se pensa nisso, tudo o que acontece é como se fosse fruto da nossa vontade. Sentimo-nos como um operário que, pedra sobre pedra, vai construindo à sua frente o caminho que deverá percorrer. Só muito depois é que se repara que o caminho já está construído, que alguém o traçou para nós e que só nos resta seguir em frente (...) Para veres o destino em toda a sua realidade, tens de deixar passar mais alguns anos. Por volta dos sessenta, quando o caminho atrás de ti é mais comprido do que o que tens à tua frente, vês uma coisa que nunca tinhas visto antes: o caminho que percorreste não era direito mas cheio de encruzilhadas, a cada passo havia uma seta que apontava para uma direcção diferente."
Mas discordo quando ela fala que é a idade que nos leva a concluir que o destino é quem traça o nosso caminho. Mais à frente ela diz:
"Compreensão e superficialidade não têm nada a ver com os anos, mas com o caminho que cada pessoa percorre."
É o caminho que cada pessoa percorre que conduz à compreensão ou à superficialidade. Por isso compreendi muito cedo que o meu caminho estava traçado mesmo assim continuei a lutar contra o destino. Apesar de não ter tido uma vida fácil e por causa dela que sou quem sou. Não mudaria a minha vida.
Helga obrigada por este bocadinho. Foi bom recordar este livro.
Beijinho

Helga disse...

Tulipa, eu não conhecia e amei de paixão esta história.

Kisses :)

Helga disse...

Brown Eyes, concordo contigo, pois também acho que o conceito de 'destino' é concebido de acordo com a experiência de cada um e com os caminhos que cada um escolhe percorrer, e apesar de muitas vezes termos que optar pelo caminho que não escolhemos, somos sempre o resultado dos passos que damos e das decisões que tomamos.

Este livro 'ensinou-me' que há caminhos que tomamos de forma inconsciente, juízos de valor que fazemos de ânimo leve, sem muitas das vezes conhecermos os motivos por detrás das atitudes dos outros.

É uma boa lição de vida, vista pelo olhar de alguém, cujo caminho à sua frente é agora mais pequeno do que o caminho que deixou atrás de si. É uma história tocante que nos oferece a oportunidade de reflectir sobre a forma como escolhemos lidar com os outros.

Beijinhos :)